MARAVILHA DO UNIVERSO

MARAVILHA DO UNIVERSO
Contemple a Maravilha do Universo

quinta-feira, 30 de junho de 2011

NASA RECUPERA POEIRA LUNAR QUE IRIA A LEILÃO

Terra fotografada da Lua durante a missão tripulada apollo 11, a primeira a pousar no satélite natural da Terra
Terra fotografada da Lua durante a missão tripulada apollo 11, a primeira a pousar no satélite natural da Terra

As idas à Lua trouxeram de volta à Terra quase 382 kg de material do satélite. E a Nasa faz questão de manter, literalmente, cada pedacinho.
Na semana passada, a agência espacial recuperou um fragmento de poeira lunar de apenas três milímetros --colado a um pedaço de fita adesiva transparente-- que seria leiloado em Saint Louis, no Estado do Missouri.
"Não havia muito o que se olhar, mas eu nunca estarei tão perto da Lua novamente", disse Richard Callahan, do órgão que é uma espécie de Ministério Público dos EUA.
No início de junho, ao tomar conhecimento do leilão do objeto, Callahan e sua equipe começaram a trabalhar para impedir a venda.
Testes preliminares no Centro Espacial Johnson, para onde o material foi levado, indicam que existe uma "alta probabilidade" de a poeira ser de fato lunar.
O resultado definitivo, porém, vai levar mais tempo.
A poeira desembarcou na Terra junto com Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins na Apollo 11, na primeira missão à Lua, em 1969.
Durante uma caminhada no satélite, os astronautas derrubaram uma câmera fotográfica que acabou acumulando "sujeira" no compartimento destinado ao filme.
Já na Terra, o fotógrafo responsável por revelá-lo, Terry Slezak, encontrou a poeira e colou um pouco dela em uma fita adesiva.
Quando ganhou um quadro de presente dos astronautas, ele não pensou duas vezes: colou a fita nele.
Em entrevista ao "New York Times", Slezak disse que a Nasa "nunca o questionou" sobre a fita com a poeira, nem mesmo quando ele vendeu o quadro com ela em 2001.
O item foi arrematado por um colecionador alemão que dividiu a fita original --de cerca de 2,5 cm-- em pedaços menores e os colocou à venda.
O pedaço recuperado agora foi posto a leilão pela viúva de um dos compradores dos fragmentos. Ela entregou o material voluntariamente após ser comunicada pelas autoridades.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

NASA CONFIRMA ÚLTIMA MISSÃO DO ATLÂNTIS PARA 8 DE JULHO


A NASA, agência espacial americana, confirmou que o vaivém Atlantis será lançada a 8 de Julho, naquela que será a sua última missão e o fim da era dos vaivéns espaciais.
O administrador adjunto para Operações Espaciais da Nasa, Bill Gerstenmaier, anunciou que o Atlantis «está pronto para voar».
Os técnicos da Nasa passaram mais de cinco horas na reunião de revisão prévia da nave, na qual foram analisados todos os detalhes e eventuais imprevistos que podem atingir o vaivém espacial, antes de dar sinal verde ao lançamento.
Gerstenmaier divulgou alguns dos detalhes da reunião juntamente com o director de coordenação de lançamento do programa espacial, Mike Moses, e a director de lançamentos, Mike Leinbach.
O Atlantis partirá numa missão de 12 dias às 11:26 locais do dia 8 de Julho, levando uma carga considerada «fundamental» para a manutenção da Estação Espacial Internacional (ISS), já que a Nasa deixará de lançar vaivéns espaciais.<+> A carga inclui o módulo multifuncional Raffaello repleto de mantimentos e peças de reposições, além do Robotic Refueling Mission (RRM), elaborado para demonstrar e provar ferramentas, tecnologias e técnicas necessárias para reabastecer mecanicamente os satélites no espaço.
A tripulação também trará para a Terra uma peça danificada do sistema de bombeamento de amoníaco, recentemente reparada, que será utilizada pelos engenheiros para entender o motivo da falha e melhorar o desenho de futuras naves.
Serão muitas as tarefas desta última missão, assinalou Moses. Segundo ele, os especialistas da Nasa cogitam até mesmo estendê-la por um dia, o que dependerá da confirmação do lançamento e da existência de energia suficiente nos tanques do vaivém espacial. 

terça-feira, 28 de junho de 2011

                        A KOMBI DO FUTURO

Quanto tempo leva para viajar de carro pelo Sistema Solar?

Se tivéssemos um carro espacial que nos permitisse passear pelo Sistema Solar, quanto tempo demoraríamos até chegar aos outros planetas? Se fôssemos a uma velocidade normal de 100 km/h, como andamos nas auto-estradas terrestres, então demoraríamos 5 meses para chegar à Lua (e isto é assumindo que não pararíamos num McDonald’s espacial, ou numa “área de serviço espacial”). Em média, à mesma velocidade, chegaríamos a Marte em 200 anos, a Júpiter em 800 anos, a Saturno em 1.600 anos, a Urano em 3.100 anos, e a Netuno em 5.150 anos. Gostaria de viajar pelo Sistema Solar, mas a uma velocidade de pelo menos de 200.000 Km/h. Chegaria à Lua em apenas 1 hora 48 minutos, a Marte em 36,5 dias, a Júpiter em 5 meses, a Saturno em 9 meses e 18 dias, a Urano em 18 meses e 18 dias, finalmente a Netuno em 30 meses e 27 dias . Regressava para casa um pouco mais de 5 anos após a partida e na certeza de que o ruído do “carro espacial” só se ouvia depois de 200 km passados.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

         NEBULOSA DE EMISSÃO N 44


Crédito: WFI, MPG/ESO 2.2-m Telescope, La Silla, ESO.
Telescópio: 2.2 m ESO.

N44 é uma região de hidrogénio ionizado situada na nossa galáxia vizinha Grande Nuvem de Magalhães (GNM). Com um tamanho aproximado de 1000 anos-luz, N44 possui um anel de estrelas azuis muito luminosas. Estas estrelas geram ventos estelares muito fortes, excitando o hidrogénio circundante e fazendo-o emitir, dando-lhe assim a coloração avermelhada visível na imagem. A maior parte destas estrelas terminará a sua vida sobre a forma de supernova. A GNM é visível no hemisfério Sul e situa-se a cerca de 170000 anos-luz de distância da Terra. 

domingo, 26 de junho de 2011

          UMA ESTRELA VELOZ


Estrela ejectada da Grande Nuvem de Magalhães - ilustração. Crédito: ESO.

Observações realizadas com o telescópio Kueyen, um dos telescópios de 8,2 metros que compõem o VLT
 (ESO
), levaram à descoberta de uma estrela
 jovem, de grande massa
, que se move a grande velocidade através do halo exterior da Via Láctea
 em direcção ao espaço intergaláctico. Esta descoberta pode vir a constituir uma evidência de que existe um buraco negro
 de grande massa, até agora desconhecido, no coração da Grande Nuvem de Magalhães
, um dos mais próximos vizinhos da Via Láctea. 

A estrela, de nome HE 0437-5439, foi descoberta graças a um projecto destinado à obtenção de informação espectral em metade do céu do hemisfério sul, uma colaboração entre o Observatório de Hamburgo e o ESO. O projecto foi desenvolvido para a detecção de quasares

, mas foram também descobertas muitas estrelas azuis de brilho
 ténue. As observações levaram os cientistas a descobrir o que parece ser uma estrela de grande massa da sequência principal, mas bem distanciada no halo galáctico. 

A descoberta foi uma enorme surpresa. As estrelas de grande massa têm tempos de vida de apenas dezenas ou centenas de milhões de anos - tempos de vida curtos, em termos astronómicos. O halo galáctico não costuma hospedar estrelas tão jovens como a que foi encontrada. De facto, é no halo galáctico que se encontram as estrelas mais velhas da Via Láctea, estrelas que têm mais de 10mil milhões de anos. As estrelas de grande massa encontram-se geralmente no disco galáctico, dentro ou perto de regiões de formação estelar, como a famosa Nebulosa de Orionte

. HE 0437-5439 é, na verdade, bastante semelhante às estrelas do trapézio que fazem brilhar esta nebulosa
. 

Os dados analisados foram obtidos com o UVES, um espectrógrafo de alta resolução do VLT. A composição química da estrela foi determinada e resultou ser semelhante à do Sol

, confirmando-se que se trata de uma estrela jovem, porém a sua massa é oito vezes superior à do Sol e a estrela tem apenas 30 milhões de anos. HE 0437-5439 localiza-se a uma distância de quase 200 000 anos-luz
, na direcção da constelação
 do Espadarte (Dourado em latim). 

Mas o mais interessante foi o facto de os dados indicarem que a estrela se está a afastar a uma velocidade de 2,6 milhões de quilómetros por hora. HE 0437-5439 move-se tão depressa que a atracção gravitacional da Via Láctea não consegue mantê-la dentro das suas fronteiras. Assim sendo, esta estrela hiperveloz, nascida bem longe do local onde hoje a podemos observar, acabará por se escapar para o espaço intergaláctico. 

A pergunta que surge imediatamente é a seguinte: o que está a acelerar esta estrela? Cálculos realizados já no final dos anos 80 mostraram que os buracos negros de massa elevadíssima (com 1 milhão ou mais de massas solares

) podem ser responsáveis pela aceleração
 de uma estrela. Com efeito, se considerarmos um binário que se aproxime de um destes buracos negros, uma das estrelas que o compõem cairá no buraco enquanto que o seu companheiro será ejectado a uma grande velocidade. Ora, no núcleo da Via Láctea existe um buraco negro gigante, com uma massa de 2,5 milhões de massas solares, que poderia ter ejectado e acelerado HE 0437-5439. Mas se assim foi, há dados que não batem certo. A estrela é demasiado jovem para poder ter percorrido a distância entre o centro da Galáxia e a sua localização actual, uma vez que o tempo necessário para percorrer essa distância é três vezes superior à idade da estrela. Então, ou a estrela é mais velha do que aparenta, ou então terá nascido e sido acelerada fora da Galáxia. 

Mas existe uma outra pista diferente para a origem de HE 0437-5439, que advém da sua localização no céu. HE 0437-5439 situa-se a 16 graus da Grande Nuvem de Magalhães. Esta galáxia

 está a uma distância de 156000 anos-luz. A estrela está ainda mais distante que a Grande Nuvem e está mais perto do centro desta galáxia que do centro da Via Láctea. Os astrónomos provaram que, se a estrela tiver sido ejectada da região central da Grande Nuvem de Magalhães, então poderá ter atingido a sua posição actual durante o seu tempo de vida. Esta conclusão pressupõe, no entanto, que deverá existir um buraco negro de massa elevada no centro da Grande Nuvem de Magalhães. 

Uma outra explicação requer que a estrela HE 0437-5439 seja o resultado da fusão

 de duas estrelas, pertencendo a uma classe denominada “blue stragglers”, que são mais velhas do que os modelos standard costumam prever. Na verdade, a sua idade pode ser tanta quanto o tempo de vida de uma estrela de 4 massa solares, o que é 6 vezes mais que o tempo de vida de uma estrela de 8 massas solares. 

Os astrónomos propuseram ainda duas observações adicionais para que uma das duas explicações seja validada. Uma delas relaciona-se com as abundâncias. Sabe-se que nas estrelas que pertencem à Grande Nuvem de Magalhães, certos elementos têm uma abundância que é metade da abundância dos mesmos elementos no Sol. Será necessário efectuar medições mais precisas das abundâncias de HE 0437-5439 para que se possa concluir se são valores apropriados para uma estrela da Grande Nuvem de Magalhães. Na segunda observação os astrónomos pretendem determinar o quanto a estrela se move numa direcção transversal.

sábado, 25 de junho de 2011

ASTERÓIDE IRÁ PASSAR EXTREMAMENTE PERTO DA ATMOSFERA DA TERRA NESTA SEGUNDA FEIRA 27/06/11


Asteróide 2011 MD diagrama de flyby Terra para 27 de junho de 2011
Trajetória do asteróide 2011 MD durante o céu de 27 de junho de 2011,    direção geral . CRÉDITO: NASA

UPDATE para 5:35 ET: NASA tem recalculado o tempo de maior aproximação para este evento ser de cerca de 3 1 / 2 horas mais tarde do que o inicialmente relatado. A alteração é refletida abaixo.
Aqui está algo para me debruçar sobre como você dirige ao trabalho na próxima semana: Um pequeno asteróide do tamanho de um ônibus de turnê vai fazer um passe muito perto da 
 Terra na segunda-feira, mas não representa uma ameaça para o planeta
O asteróide fará sua maior aproximação às 1:14 pm EDT (1714 GMT) em 27 de junho e passará pouco mais de 7.500 milhas (12.000 quilômetros) acima da superfície da Terra, os oficiais da NASA dizem.Naquele momento particular, o asteróide - que os cientistas têm chamado 2011 MD - serão vela alta na costa da Antártida, quase 2.000 milhas (3.218 km) a sul-sudoeste da África do Sul.MD asteróide 2011 foi descoberta quarta-feira (22 de junho) por LINEAR, um par de telescópios robóticos, no Novo México que varrer os céus para os asteróides próximos da Terra . As melhores estimativas sugerem que  este asteróide é entre 29 e 98 pés (9 a 30 metros) de largura
De acordo com Office da NASA Near-Earth Object no Jet Propulsion Laboratory (JPL) em Pasadena, na Califórnia, um objeto desse tamanho pode ser esperado para chegar tão perto da Terra a cada seis anos ou mais, em média. [ Foto da trajetória de asteróides 2011MD ]
"Não há chance de que 2011 vai bater MD Terra, mas os cientistas vão usar o passe perto como oportunidade de estudá-lo observações w / radar", astrônomos da Nasa Watch Asteroid programa em JPL escreveu em um post no Twitter quinta-feira (23 de junho). 
Mesmo que o asteróide fosse entrar na atmosfera da Terra, ele provavelmente não iria alcançar a superfície, acrescentaram.
"Asteroid 2011 medidas de MD cerca de 10 metros. Asteróides Stony menos de 25 m poderia quebrar na atmosfera da Terra e não causar danos chão", os cientistas Asteroid Watch disse.
Sobrevôo do asteróide próximo da Terra será um barbear mais rente, mas não um registro para asteróides passam nas proximidades. O registro é actualmente detida pelo asteróide 2011 CQ1 , que entrou dentro de 3.400 milhas (5471 quilômetros) da Terra em 04 de fevereiro deste ano.
Asteróide 2011 diagrama órbita MD para 27 de junho, 2011
Trajetória do asteróide 2011 MD em 27 junho de 2011 projetada em plano orbital da Terra. Note a partir deste ângulo de visão, o asteróide passa por baixo da Terra. Crédito: NASA



































Por  várias horas antes de sua maior aproximação, 2011 MD será visível em telescópios amadores
 moderadamente grande . Mas, apesar de sua abordagem estreita, realmente vendo este asteróide não será uma tarefa fácil.
"Esses objetos são tão pequenas (10 metros) que, normalmente, um telescópio considerável é necessária," Asteroid Watch cientistas advertiu.
Você precisa ter acesso a um atlas de estrela excelente, é porque ele vai estar se movendo tão rapidamente que você também vai precisar dos dados mais recentes do Centro de Planetas Menores para acompanhar o seu curso precisas em relação às estrelas de fundo. O asteróide não é esperado para chegar muito brilhante; cerca de 250 vezes mais fraca que as estrelas mais fracas visíveis a olho sem ajuda óptica. [ Fotos: Asteroids em Deep Space ]
O asteróide vai passar tão perto que a gravidade da Terra irá alterar drasticamente a trajetória do asteróide.
Depois de efectuar a sua maior passagem para a Terra, o asteróide irá zoom através da zona de satélites geosynchronous. A chance de uma colisão com um satélite ou um pedaço de lixo espacial é extremamente remota.
História de asteróides perto da Terra
Em 28 de outubro de 1937, o astrônomo alemão Karl Reinmuth (1892-1979) acidentalmente fotografou o longo rastro de um asteróide em movimento rápido. Duas noites depois, este asteróide passou a 460 mil milhas da Terra. Reinmuth chamado de Hermes, o deus do Olimpo depois de fronteiras e viajantes. 
Uma vez que a grande maioria dos asteróides (até agora mais de numeração 210000) se reúnem entre as órbitas de Marte e Júpiter, os astrônomos, nesse momento senti que a abordagem muito perto de Hermes foi uma exceção notável. 
"Os astrônomos da época eram um pouco tendenciosa", explicou o cientista da NASA de asteróides Paul Chodas. "Eles tinham se convencido de que as colisões eram muito raros a considerar."
Desde então, os astrônomos descobriram que asteróides podem fazer abordagens muito perto da Terra com uma frequência muito maior do que se pensava anteriormente. Passar MD asteróide 2011 na segunda-feira é um excelente exemplo disso.
Dos 8.099 Near-Earth os objetos que foram descobertos, cerca de 827 deles são asteróides com um diâmetro de cerca de meia milha (1 km) ou maior. Sobre 1236 destes NEOs foram classificados como asteróides potencialmente perigosos (PHAs).
NASA atualmente planeja lançar uma sonda para visitar um desses potencialmente perigosos objetos próximos da Terra e trazer amostras do asteróide com a Terra.
Essa missão irá lançar o asteróide sonda OSIRIS-Rex  em 2016 para se encontrar com a rocha espacial 1999 RQ36 em 2020. O asteróide alvo é 1.900 pés (580 metros) de largura e tem um um-em-1, 800 chance de atingir a Terra no ano de 2170, e um 1-em-1, 000 chance de bater em nós em 2182.
Joe Rao serve como instrutor e palestrante convidado em Planetário Hayden de Nova York. Ele escreve sobre astronomia para The New York Times e outras publicações, e ele também é um meteorologista na câmera de Notícias 12 Westchester, Nova York.

GALÁXIA NGC 4214: UM LABORTÓRIO DE FORMAÇÃO DE ESTRELAS




Mais recente da câmera do Hubble obteve uma imagem da galáxia NGC 4214.Esta galáxia brilha intensamente com jovens estrelas e nuvens de gás, e é um laboratório ideal para a investigação de formação estelar e evolução.
Tamanho não é tudo ... na astronomia, pelo menos. Galáxia anã NGC 4214 pode ser pequeno, mas o que falta em tamanho ele compensa em conteúdo. É embalado com tudo o que um astrônomo poderia pedir, de quente, jovens regiões de formação estelar para clusters de idade com supergigantes vermelhas.
Os intrincados padrões de gás de hidrogênio ionizado brilhantes, cavidades soprado clara de gás pelo vento estelar, aglomerados estelares e brilhante de NGC 4214 pode ser visto nesta imagem óptico e infravermelho próximo, tiradas com a Wide Field Camera 3 (WFC3) instrumento no NASA / ESA Hubble Space Telescope.
A cavidade em forma de coração enorme - possivelmente a maioria da galáxia característica atraente - pode ser visto no centro da imagem. Dentro deste buraco encontra-se um grande aglomerado de estrelas mais massivas e jovens na faixa de temperatura de 10 000 a 50 000 graus Celsius. Suas fortes ventos estelares são responsáveis ​​pela criação deste espaço oco. A resultante falta de gás impede qualquer formação de estrelas mais distantes que ocorrem nesta região.
Localizado cerca de 10 milhões de anos-luz de distância na constelação de Canes Venatici (os cães de caça), relativa proximidade da galáxia perto de nós, combinado com a grande variedade de estágios evolutivos entre as estrelas, faz com que seja um laboratório ideal para a investigação que desencadeia estrela formação e evoluçã. Por acaso há relativamente pouca poeira interestelar entre nós e NGC 4214 , torna nossas medições mais precisas.
NGC 4214 contém uma grande quantidade de gás, algumas das quais podem ser vistos vermelho brilhante na imagem, fornecendo material abundante para a formação de estrelas. A área com o gás mais hidrogênio e, conseqüentemente, o mais jovem aglomerados de estrelas (cerca de dois milhões de anos), fica na parte superior desta imagem do Hubble. Como a maioria das características da imagem, esta área é visível devido à ionização do gás circundante pela luz ultravioleta de um cluster de estrelas jovens dentro.
Observações desta galáxia anã também revelaram clusters de muito mais velha supergigantes vermelhas que vemos numa fase tardia de sua evolução. Adicionais estrelas mais velhas podem ser vistas espalhadas por toda a galáxia. Enquanto estes são dominantes na emissão de infravermelho eles só podem ser vistos brilhando fracamente nesta imagem de luz visível. A variedade de estrelas em diferentes estágios de sua evolução, indicam que os períodos de starburst recentes e em curso não são de forma a primeira, e da galáxia de hidrogênio ionizado numerosas regiões sugerem que não será o último.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

CONHEÇA AS 10 MELHORES IMAGENS REGISTRADAS DO TELESCÓPIO ESPACIAL HUBBLE



Desde que foi lançado ao espaço, em abril de 1990, o Telescópio Espacial Hubble, ou HST, tem proporcionado aos cientistas e ao público em geral as mais belas imagens até hoje feitas do nosso Universo.

Apesar de não ser o primeiro ou o único telescópio em órbita da Terra, O Hubble é um dos maiores e provavelmente o mais versátil e sua contribuição aos estudos astronômicos tem sido vital desde que foi posto no espaço, permitindo um número incalculável de novas descobertas. De 200 papers (trabalhos científicos) publicados a cada ano e que recebem mais citações, pelo menos 10% são baseados nos dados do telescópio.

Dizer qual das imagens do Hubble é a mais interessante ou importante não é uma tarefa fácil. As imagens abaixo são uma coletânea de 10 cenas que a nosso ver conseguem ao mesmo tempo serem belas e cientificamente importantes. Veja se não temos razão!

Galáxia Espiral NGC 628
Uma das mais belas imagens captadas pelo telescópio Hubble é sem dúvida a da galáxia em espiral NGC 628, também conhecida como M74.

Descoberta em 1780 pelo astrônomo Pierre Méchain, M74 está localizada a 32 milhões de anos-luz na direção da constelação de Peixes e é formada por aproximadamente 100 bilhões de estrelas, sendo ligeiramente menor que a Via-Láctea. 

Em março de 2005, cientistas anunciaram a existência de um possível buraco negro de massa 10 mil vezes maior que nosso Sol em seu interior. Apesar de existirem diversas imagens dessa galáxia, a cena captada pelo Hubble é uma das mais belas e detalhadas.


O Balé Celestial ARP 87
Registrada pelo telescópio Hubble em fevereiro de 2007, a cena ao lado mostra uma intrincada e maravilhosa coreografia espacial executada pelo par de galáxias ARP 87, distantes a mais de 300 milhões de anos-luz, na constelação de Leão.

Estrelas, gás e poeira proveniente da grande galáxia espiral NGC 3808, à direita, parecem formar um gigantesco braço celestial que envolve por completo sua companheira menor, NGC 3808A, à esquerda. A colossal força gravitacional envolvida é nítida e distorce até mesmo o típico formato das galáxias.

A partir das imagens feitas pelo Hubble, os cientistas descobriram que ARP 87 contém um número maior de clusters de super estrelas - regiões mais compactas e ricas em estrela jovens - do que os encontrados em nossas galáxias vizinhas.


Cicatrizes do cometa Shoemaker-Levy em Júpiter
Entre os dias 16 e 22 de julho de 1994, mais de 20 fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9 colidiram com o planeta Júpiter. O violento impacto foi acompanhado por centenas de observadores ao redor do mundo e diversas imagens foram registradas, tanto por astrônomos amadores como profissionais, mas nenhuma se compara a esta, feita pelo telescópio Hubble.

A imagem apresenta nitidez impressionante e revela as enormes cicatrizes deixadas pelos impactos do cometa sobre o hemisfério sul do gigante gasoso. Os impactos resultaram em diversas cicatrizes negras na atmosfera joviana, além de elevarem colunas de gás a milhares de quilômetros de altitude e formarem bolhas de gás de centenas de graus Celsius.

Estima-se que os fragmentos tinham aproximadamente 2 quilômetros de diâmetro e atingiram o planeta a 60 km/seg.


Berçário de Estrelas NGC 604
Provavelmente uma das mais belas imagens espaciais, NGC 604 é uma nebulosa de grandes dimensões, repleta de estrelas em formação. Medindo aproximadamente 1500 anos-luz de comprimento, NGC 604 é uma verdadeira maternidade de estrelas, cem vezes maior que a nebulosa de Órion M42. 

Descoberta em 1784 por William Herschel, a nebulosa abriga em seu interior mais de 300 estrelas quentes com massa 15 a 60 vezes maiores que nosso Sol e se localiza a 2.7 milhões de anos-luz da Terra, na borda da galáxia espiral M33, direção da constelação do Triângulo.

A cena apresentada foi registrada em janeiro de 1995 através da Câmera Planetária de Campo Largo. Foram realizadas diversas exposições em diversos comprimentos de onda, com o propósito de estudar as propriedades dos gases ionizados que atingem mais de 10 mil graus Celsius. O estudo dessas imagens permitiu aos cientistas esclarecerem os diversos pontos referentes à formação e evolução do meio interestelar.


Saturno e seus anéis maravilhosos
Quem olha o planeta Saturno pela primeira vez ao telescópio, facilmente se encanta. Saturno se parece com uma delicada miniatura planetária, com pequenos anéis que mais parecem uma pequena jóia feita por um artista. Mas ao olharmos a foto feita pelo telescópio espacial Hubble o belo planeta gasoso deixa de ser uma miniatura admirável para se tornar um gigante imponente.

Saturno é o sexto planeta do Sistema Solar e o segundo maior em tamanho. Seu gigantesco sistema de anéis tem aproximadamente 274 mil quilômetros de diâmetro, mas sua espessura não passa de 1.5 quilômetro.

A cena captada pelo telescópio Hubble é uma das mais belas já feitas dos planetas do Sistema Solar e a riqueza de detalhes dá a impressão de que a cena não é apenas uma foto, mas uma pintura feita para admirar.


Ecos de Luz de V838 Monocerotis
V838 Monocerotis é uma gigantesca estrela variável localizada a mais de 20 mil anos-luz da Terra na constelação do Unicórnio, ou Monoceros. Em outubro de 2002 os cientistas testemunharam um forte e repentino aumento em seu brilho, que transformou a estrela no objeto mais luminoso da Galáxia. Os eventos registrados foram únicos, com surgimentos de intensos picos luminosos com velocidade de expansão incomum, seguido de súbitos apagões.

No início os pesquisadores pensaram que o aumento de brilho era o resultado de uma explosão comum de uma estrela em estado de supernova, mas hoje praticamente todos concordam que o evento foi totalmente diferente, com algumas teorias apontando para a fusão de duas estrelas ou até mesmo que V838 Monocerotis tenha engolido os planetas gigantes que a orbitavam.

A imagem captada pelo telescópio espacial Hubble mostra com clareza os ecos da explosão. Na cena a luz é refletida pela poeira estelar, emoldurada por espirais e redemoinhos provocados por poderosos campos magnéticos.


Pilares da Criação
Provavelmente essa seja a mais impressionante imagem captada pelo telescópio espacial Hubble. A cena retrata parte da Nebulosa da Águia, M16, e basta olhar para ela para entender porque recebeu o nome de Pilares da Criação. Um simples olhar é o suficiente para impressionar até mesmo os mais leigos.

A foto retrata gigantescas estruturas em forma de colunas formadas por hidrogênio interestelar e poeira, responsáveis pelo nascimento das novas estrelas do Universo. 

Registrados em 1995, os três pilares de poeira cósmica constituem a imagem mais emblemática captada pelo Telescópio Hubble, mas os pesquisadores acreditam que o ícone não exista mais. Uma violenta explosão de uma supernova, ocorrido há 8 mil anos, emitiu uma poderosa onda de choque que provavelmente desmoronou os pilares. A violenta explosão chegou à Terra há 2 mil anos e possivelmente foi vista pelos habitantes daquela época como um forte clarão naquela região do céu.


Nebulosa do Caranguejo - Restos de uma explosão
Um dos objetos mais observados pelos astrônomos, amadores ou profissionais, é sem dúvida a Nebulosa do Caranguejo, formada dos restos de uma supernova e localizada a 6500 anos-luz na constelação de Touro. A nebulosa foi observada pela primeira vez em 1731 pelo astrônomo John Bev e tem um diâmetro de 11 anos-luz, que se expande a 1500 quilômetros por segundo.

No centro da nebulosa se encontra o Pulsar do Caranguejo, uma pequena estrela rotatória de nêutrons que emite feixes eletromagnéticos a razão de 30.2 pulsos por segundo, que se propagam desde os raios gamma até o espectro de radiofrequência. Estima-se que seu diâmetro atual seja de apenas 30 quilômetros. 

Foi a Pulsar do Caranguejo que explodiu e se transformou em uma supernova. O evento foi observado por astrônomos árabes e chineses no ano de 1054, que relataram que o brilho era tão intenso que podia ser visto até mesmo durante o dia.


A maravilhosa Galáxia do Sombrero
Outro objeto muito "caçado" pelos observadores noturnos é a famosa galáxia do Sombrero, aqui retratada em grande estilo pelo telescópio espacial Hubble. Olhando a imagem nem é necessário dizer por a galáxia recebeu esse nome.

Distante cerca de 30 milhões de anos-luz da Terra na direção da constelação de Virgem, a galáxia do Sombrero, ou M104, é formada por um proeminente disco de partículas e gás e uma gigantesca e brilhante protuberância central. 

Em 1990, utilizando imagens do Telescópio Hubble, um grupo de pesquisadores demonstrou que era impossível manter a velocidade de rotação das estrelas em sua área central, a menos que uma gigantesca massa 1 bilhão maior que o Sol estivesse presente em seu centro, concluindo então pela existência de um dos maiores buracos negros já descobertos.


Campo Ultra Profundo
A primeira vista a imagem ao lado se parece com uma montagem, onde se vê diversas galáxias, estrelas e objetos distantes. Mas a cena é bem mais que isso. Ela retrata uma pequena região na constelação Fornax e é a mais profunda imagem do Universo jamais visto no espectro visível. A cena contém aproximadamente 10 mil galáxias vistas em um espaço de apenas um décimo daquele ocupado pela Lua Cheia.

A cena levou quatro meses para ser feita, entre setembro de 2003 e janeiro de 2004, e mostra objetos localizados há mais de 13 bilhões de anos-luz. O objeto mais tênue registrado na imagem tem menos de 4 bilionésimos do brilho que podemos ver com nossos olhos e representam as primeiras estrelas criadas no Universo.


Fotos: Crédito das fotos: Nasa/Hubble Space Telescope Science Institute

terça-feira, 21 de junho de 2011

NASA DIZ: QUE A SUPERFICIE DE MERCÚRIO PODE CONTER GELO


Esta é a primeira vez que imagens de Mercúrio são obtidas com exatidão; veja fotos da superfície do planeta
Esta é a primeira vez que imagens de Mercúrio são obtidas com exatidão; veja a foto da superfície do planeta


Um estudo prévio das primeiras imagens tiradas da superfície de Mercúrio, o menor planeta do Sistema Solar, parece indicar a existência de gelo, apesar da proximidade com o Sol.
A sonda Messenger, a primeira a orbitar Mercúrio depois de uma viagem de seis anos até chegar a seu destino, enviou um lote inicial com 20 mil imagens para a Terra.
O planeta já foi fotografado anteriormente, mas esta é a primeira vez que as imagens são obtidas com exatidão.
A Messenger também realizou análises da composição química do solo e reuniu dados sobre o campo magnético de Mercúrio.
"É quase um planeta novo. Nunca tivemos este tipo de dado antes", disse o pesquisador-chefe Sean Solomon, do Instituto Carnegie, de Washington.
A coleta indica que há ricos depósitos de enxofre no solo e provavelmente foram os vulcões que desempenharam um papel importante na formação de Mercúrio.
A descoberta faz com que os cientistas repensem as teorias sobre como o planeta se formou e o que aconteceu a ele nos últimos 4 bilhões de anos.
A origem do planeta, especulam os cientistas, pode ter sido com materiais diferentes dos de Vênus, Terra e Marte.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

VIA LÁCTEA: SAIBA ONDE ESTÁ O SOL E O SISTEMA SOLAR DENTRO DA VIA LÁCTEA

Todos sabem que a cada 28 dias aproximadamente, a Lua completa uma volta ao redor da Terra. Também é de conhecimento básico que a Terra, junto com a Lua, executa o movimento de translação ao redor do Sol, que leva 365.25 dias para ser completado. Aliás, não é só a Terra que circunda o Sol, mas todos os planetas, Luas, asteróides e satélites executam esse movimento de translação. 

O que poucos sabem, no entanto, é que nosso Sol, com tudo que gira ao seu redor, também circunda alguma coisa, mas essa "coisa" está tão longe que nós nem percebemos o movimento. Estamos falando do centro a Via Láctea, ao redor do qual o Sol e mais de 200 bilhões de estrelas giram.

Toda a Via Láctea descreve um movimento de rotação ao redor de um ponto central, mas seus componentes não se deslocam à mesma velocidade. As estrelas que estão mais distantes do centro movem-se a velocidades mais baixas do que aquelas que estão mais próximas.

Nosso Sol descreve uma órbita praticamente circular em torno da Via Láctea e sua velocidade de translação é de 225 km por segundo. Para dar uma volta completa ao redor do centro da Galáxia o Sol leva aproximadamente duzentos milhões de anos. Como a idade da nossa estrela é de 4.5 bilhões de anos, podemos afirmar que desde que existe, o Sol já deu 22 voltas ao redor da Galáxia.


Braços
A Via Láctea é uma galáxia espiral formada por 4 braços maiores - Perseu, Norma, Crux-Scutum e Carina-Sagitário - e os braços menores de Órion e Cignus. 

                                  nossa  galáxia via láctea vista da terra


Atualmente, o Sol ocupa uma posição na periferia da Via Láctea, conhecida como Braço de Orion, distante cerca de 27 mil anos-luz do centro galáctico.

Até 1953 os astrônomos não tinham conhecimento da existência dos braços da Via Láctea. A observação da estrutura espiralada era obstruída pela poeira estelar, além de ser dificultada por ser feita de dentro da própria Galáxia. Até este ano (2008) os cientistas acreditavam que a Via Láctea possuía os 4 braços mencionados, mas dados fornecidos pelo telescópio Spitzer estão mudando essa concepção.

Segundo o modelo proposto pelo astrofísico Robert Benjamin, da Universidade de Wisconsin, a via Láctea possui apenas dois braços principais: Perseus e Scutum-Centaurus, sendo os demais braços reclassificados como braços menores ou ramificações. Centaurus e Perseus contêm uma enorme concentração de estrelas jovens e brilhantes.

Como vimos, a Via Láctea é classificada como sendo uma galáxia espiral e seus braços giram em torno do núcleo à semelhança de um grande cata-vento. Em seu interior, nosso Sol não passa de um minúsculo grão de areia a vagar pelo Universo.

sábado, 18 de junho de 2011

TELESCÓPIO DETÉCTA TEMPESTADES EJETANDO ANTI MATÉRIA PARA O ESPAÇO


O telescópio espacial Fermi, especializado na observação de raios gama, detectou feixes de antimatéria produzidos acima das tempestades na Terra, um fenômeno nunca visto antes.
© NASA (flash de raios gama terrestre)
Os cientistas acreditam que as partículas de antimatéria foram formadas em um flash de raios gama terrestre (TGF), uma rápida explosão produzida no interior das tempestades de raios.
Estima-se que cerca de 500 TGFs ocorram diariamente em todo o mundo, mas a maioria não é detectada.
"Esses sinais são o primeiro indício direto de que as tempestades produzem feixes de partículas de antimatéria", afirma Michael Briggs, da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos.
Ele apresentou os resultados das pesquisas com o telescópio da NASA durante uma entrevista coletiva na reunião da Sociedade Astronômica Americana, em Seattle.
O telescópio Fermi foi projetado para monitorar os raios gama, a forma mais energética da luz. Quando a antimatéria colide com uma partícula de matéria normal, ambas são aniquiladas, produzindo uma emissão de raios gama. Menos de 2 milissegundos depois de ser gerado na tempestade, o feixe de elétrons-pósitrons atingiu a altitude do telescópio Fermi.

© NASA (feixe de elétrons-pósitrons)
O instrumento GBM (Gamma-ray Burst Monitor) do telescópio Fermi detectou raios gama com energias de 511.000 elétron-volts, um sinal que um elétron encontrou sua contraparte de antimatéria, o pósitron.
O aparelho já identificou 130 TGFs desde o lançamento de Fermi, em 2008.
O TGF que permitiu a detecção da antimatéria ocorreu em 14 de dezembro de 2009, sobre o Egito. Mas a tempestade ativa estava em Zâmbia, cerca de 4.500 quilômetros ao sul.
A emissão de raios gama gerou elétrons e pósitrons, que trafegam nas linhas do campo magnético da Terra até atingir o detector do telescópio. O feixe passou pelo Fermi, atingindo um local conhecido como ponto espelho, onde seu movimento se inverteu e, em seguida, atingiu o observatório uma segunda vez, apenas 23 milésimos de segundo depois.
Nas duas vezes, os pósitrons colidiram com elétrons no telescópio, onde as partículas se aniquilaram, emitindo raios gama, que foram detectados pelo GBM.
Fonte: NASA

sexta-feira, 17 de junho de 2011

NAVE SECRETA AMERICANA É VISTA PELA PRIMEIRA VEZ

Após sete meses em missão secreta, a nave não tripulada X-37B retornou à Terra na última sexta-feira . O equipamento pousou automaticamente na base aérea de Vandenberg, na Califórnia durante o período noturno e as únicas imagens do artefato foram registradas por infravermelho. 
Durante os 220 dias que permaneceu em órbita, o X-37B não teve sua posição revelada pelas autoridades, mas foi rastreado quase que diariamente por diversos observadores amadores, que informavam diariamente a localização da nave. De acordo com as observações, X-37B circulava a Terra a 410 km de altitude e completava uma órbita ao redor do globo a cada 90 minutos. Elementos orbitais divulgados informalmente revelaram que a inclinação de X-37B com relação ao equador era de cerca de 35 graus, o que confirmava que a nave se manteve na mesma órbita desde que foi lançada.
Batizado oficialmente de OTV-1 (Veículo de Teste Orbital), a nave lembra em muito o desenho dos ônibus espaciais, mas em menor escala. Todo o conjunto pesa aproximadamente 5 mil quilos e possui 8.9 metros de comprimento por 4.5 de largura, além de duas aletas bastante inclinadas na cauda. Toda a alimentação é provida por um conjunto de painéis solares e baterias de íons de lítio e a exemplo dos cargueiros espaciais, a nave também é reutilizável.

O projeto do X-37 começou na Nasa em 1999 e foi transferido para o DOD, departamento de defesa dos EUA, em 2004. Segundo o governo americano, a nave não carrega armamentos e o único objetivo das missões é avaliar a capacidade das tecnologias empregadas, entre elas os novos dispositivos de proteção térmica e capacidade de orientação e pouso autônomos, que permitiram que o artefato pousasse sem qualquer comando ou intervenção humana. 





Artes: No topo, aeronave X-37B após o pouso na base militar de Vandenberg, na Califórnia. Note a semelhança com os ônibus espaciais. Na sequência, vídeo em infravermelho mostra o momento e os procedimentos de inspe